Esconde-Esconde

Sentimentos escondidos,

Hoje eu me peguei pensando sobre sentimentos escondidos. Aqueles que moram nas profundezas do coração, nas águas mais turbulentas e difíceis de navegar.

É lá que ficam as memórias, sentimentos, e emoções que não quero pensar. Nem sentir, nem me emocionar. No dia-a-dia eu não sinto, nem choro, nem rio. Apenas esqueço e tento não lembrar.

Sentimentos escondidos. Como o tempo é relativo?

Dois flamingos caminhavam no deserto em busca de água. Depois da ninhada, o bando iniciou sua jornada em direção ao lago para alimentar seus filhotes. No meio do caminho, dois flamingos se conheceram. Um percebeu o outro no meio da multidão, e seus olhares se cruzaram. Foi o que bastou. Mil sentimentos floresceram

História turbulenta. Final feliz? E o tempo levou…

E o tempo passou. Sentimentos escondidos, de onde vem e porque se escondem? É proteção? Indiferença? Escrevi mil cartas e nenhuma delas me trouxe uma resposta,

Ah, essas emoções que se escondem. Eu daria tudo pra ter um momento de conversa e entender o que elas tem a dizer. Iria eu gostar? Me decepcionar? Ter a certeza que é o que parece ser?

Vamos dançar enquanto é tempo.

Tempo… será que dá tempo? Falta quanto tempo?

Se é que um dia vou ter um momento de conversa com o tempo. O que ele quer me dizer?

Já sei a resposta mas não quero ouvir. Vou fingir que é outra coisa e curtir o sentimento que essa imaginação me traz

Se não tenho vou fingir que tem

Sentimentos escondidos? Quais dos seus apareceram?

*

*

Foto: Céu de Kalibo, Filipinas

Dois meses em solitária

Dia 15 de março de 2020. Estávamos há um dia do evento que havíamos preparado nos últimos meses, uma simulação de Comitês da ONU. Em paralelo, a escrita da tese de mestrado e um estágio em um escritório internacional já nomeado pro Prêmio Nobel da Paz.

Murmurinhos. “Será que a gente cancela?” / “Eu acho que não, não vai chegar aqui” / “Cancela sim, é mais garantido”. O dia seguinte amanheceu com uma mensagem da coordenadora dizendo que o evento havia sido cancelado. Adiado, até, sabe-se lá quando.

Primeiro dia de quarentena. Sozinha, em países de distância do meu país. O dia em que o Abre a Janela nasceu, primeiro dia de uma grande mudança. A felicidade em poder descansar, em criar um blog, respirar, acordar mais tarde.

Primeiro dia de quarentena. Primeiro dia do quasi-apocalipse, supermercado lotado, pessoas em frenesi. Estava agora proibido se encontrar com amigos, ficar em parques, correr na rua. A regra então era ficar sozinho.

Foram tempos loucos. No começo, não deu nem pra sentir a quarentena rolando. Dias se resumiam a escrever a tese, fazer o almoço, estagiar, correr, fazer a janta. Inclusive final de semana. A vida em um mundo paralelo e unapocalíptico.

Isolamento social? Foram dois meses de quarentena a sós, longe de qualquer ser vivo. Sozinha, eu tinha 19m² de hectare e uma varandinha inóspita no meio do frio neerlandês. Vivendo um sonho, eu nem enxergava os dias passarem. Não sentia a falta de nada, não queria falar com ninguém. Meu único objetivo era fazer o que eu tinha que fazer e não me deixar chegar a exaustão. Foi quasi-burnout.

Dois meses sem falar com ninguém pessoalmente. Sabe o que é isso?

Uma experiência maluca, uma oportunidade de crescimento e evolução. Não que eu recomenda, mas, se eu fosse médica, prescreveria.

Ter foco deixa a gente anestesiado. Mergulhei em um processo de estudo sobre desenvolvimento pessoal e autoconhecimento, me joguei nas águas do meu oceano sem pressa pra voltar à superfície. Mesmo durante o burnout, o isolamento social trouxe uma paz mental jamais sentida antes. Não me senti sozinha em nenhum momento durante esse período.

Até sentir tudo de uma vez.

Ficar dois meses sem contato humano -nenhum- foi um processo destrutivo e construtivo ao mesmo tempo. Me levou a um estado de autossuficiência que me fez duvidar da necessidade de interação social. Eu me dei uma festa de aniversário em que eu fui a única convidada e foi uma das melhores festas que eu já fui, sério.

Sinto o impacto desse retiro espiritual moderno até hoje, e sei que ainda estou me recuperando. Procurando um equilíbrio entre o meu eu solitário e o meu eu social. Entre o meu impulso instintivo de mergulhar no meu mundo e minha resistência/vontade de sair pro universo social. É tão confortável aqui dentro, sabe. Zona de conforto?

Lembro da primeira vez que me reuni com amigos depois desses dois meses. Foi caótico e um pouco desesperador lidar com tanta energia diferente. De repente, eu não sabia mais estar em um ambiente barulhento e normal. Esse dia foi phoda.

Acho que hoje eu entendo quem resolve se demitir do emprego, jogar a família pro alto e correr pra um monastério nas montanhas do Himalaia. De certa forma, entendo o Aubrey Marcus ter ficado uma semana sozinho em um quarto escuro, ou o McConaughey ter cogitado virar monge.

Cada dose de solitude são 50ml de autoconhecimento. Cuidado para não beber muito, mas uma tacinha de vinho por dia não faz mal a ninguém. Quem consegue tomar a garrafa inteira de uma vez?

*

*

Foto: Normandia, França.

Years and Years

Faz um tempo – anos – que eu não curto curtir o Instagram.

Para você que está lendo isso no futuro, quando eu já me tornei uma versão fake da Clarissa Pinkola Estés, Instagram é uma rede social muito usada durante os meus anos de juventude, aonde a galera posta(va) fotos de seus gatos e amigas com duck face e selfies de espelho na balada – também tem a clássica na academia, né?

Me lembro de ter começado a usar Instagram em 2011, no auge da minha adolescência. Era muito maneiro e divertido, mas de lá pra cá muita coisa mudou. Antes, os filtros do Insta eram péssimos e as fotos ficavam piores com do que sem. Era demais!

Hoje, é surreal a -perfeição- que o filtro deixa em uma foto.

Eu me odeio por usar Instagram e ainda não conseguir me libertar da rede. É um papo clichê esse, frase repetida por muita gente, mas é verdade.

Atualmente, meu feed deixou de ser um lugar para olhar fotos aleatórias e virou uma propaganda de televisão e plataforma de autoafirmação/autoimagem absurda. Parece que toda e qualquer publicação do meu mural é alguém, seja pessoa física ou jurídica, se promovendo ou divulgando seus serviços. Viramos escravos da ditadura Instagraniana.

De certa forma, escravos mesmo. Muitos queremos deixar de usar as redes, mas não conseguimos. Principalmente quem depende financeiramente da rede, há várias regrinhas para que uma publicação atinja um alto número de pessoas e se torne mais visível e conhecida. Não quero fazer uma analogia simplória à escravidão, mas é algo a ser pensado.

Pra mim, é triste. É triste ver, na prática, quão maior é o engajamento das pessoas em posts sem conteúdo algum. Como modinhas do Instagram são tão sem sentido. Por quê você iria querer se parecer com alguém?

Por que você iria se parecer com alguém que, de diferente, só muda o valor da conta bancária. E a quantidade de pessoas que (acham que) te conhecem.

Sinceramente, esse negócio de Instagram tá me cansando.

O mais louco dessa minha irritação é que daqui a pouco vou estar lá olhando meu feed do Instagram. Olhando vídeos desinteressantes de pessoas que não se tornaram tão interessantes ainda. Investindo o meu tempo em nada de valor. Muito provavelmente, também sendo uma pessoa desisteressante para outros, que vão olhar minhas postagens e pensar que eu não me tornei tão interessante assim.

E se daqui a pouco eu começar a usar o instagram pra me autopromover também? O Abre a Janela tem instagram – @abre.janela. Segue lá!

Esse post não tem nenhum objetivo a não ser um espaço para eu desabafar. Mas o objetivo desse post também é te fazer pensar.

Todos caímos na rede e agora somos peixes. Como acabar com a pesca predatória?

*

*

Foto: Ilha Sul – Nova Zelândia

Diga “Xis”

É sobre dar tempo ao tempo. Nada além de paciência para esperar o tempo tomar o tempo necessário para agir, no seu tempo.

Imagine uma parede branca com pequenas fotos penduradas nela. Tem muitas fotos, com todos os tipos de cores e amores, bem pequenas, estilo Polaroid. Cada foto representa um acontecimento diferente na sua vida.

Sabe quando a gente decide escolher umas fotos pra revelar e botar em um álbum físico? Se imagine olhando e selecionando aquelas que mais te lembram bons momentos. Vai pegando as fotos com pessoas especiais, lugares que amou, dias perfeitos. Dá uma risada só de lembrar do dia que pintou o cabelo de roxo e fez uma tatuagem de picolé (uma não, várias) no braço (inteiro).

Experimenta deixar essas fotos em stand-by e revelá-las só no ano que vem. Você irá ficar chocado com a quantidade de fotos que deixará de lado, pois não parecem mais ser tão especiais assim. A vida mudou, a amizade com aquela bff acabou. “Nossa como eu era feia” – vou revelar pra quê?

Você mudou. Hoje, você está à algumas mudanças de atitute de distância daquele ser com cabelo justin bieber do passado.

Mas, o que mudou? A impressão que dá é que aquelas fotos já não fazem mais sentido. “Nessa foto eu estava passando por uma desilusão amorosa, e lembro que foi um período difícil pra mim. Por que revelar?”

Imagine uma parede branca com várias pequenas fotos Polaroid penduradas nela. As fotos estão em ordem cronológica, e uma de um dia diferente do outro. A primeira foto é você neném (parece que essa fase nem existiu, né?), passando por você criança, aborrecente, jovem adulto, morando em um puxadinho de madeira no quintal dos pais, agora noivo, foto do casamento, foto do primeiro filho, do segundo, até chegar em uma foto de você ontem. Com a barba a fazer, olheiras, barrigudinho, usando uma camisa polo e um tenis nike shox. “Como eu era brega quando usava calça de veludo”

Na parede, tem 1 foto por ano vivido. 50 fotos. “Eu não quero lembrar da época que morei em um puxadinho de madeira no quintal dos meus pais, por mim nem revelava essa foto. Graças à Deus, hoje a minha vida é bem melhor.”

É louco como a gente não pensa que hoje eu só sou um senhor de 50 anos barrigudinho que usa camisa polo e um tênis nike shox no mesmo look porque um dia fui um jovem magricelo que usou cabelo até a cintura e calça de veludo grená.

Retire da parede a foto do puxadinho de madeira no quintal dos pais e junto seja obrigado a tirar aquela foto sua com a chave do primeiro apê em São Paulo. Deixe de revelar uma daquelas fotos que você separou no ano passado, e tenha um álbum de memórias incompleto.

Pois toda e qualquer situação que aconteceu no passado, seja ela boa ou ruim, te levou até aonde você se encontra. Cada uma daquelas fotos de cada um dos seus anos vividos, de cada fase de moda que você experimentou, formam a construção do seu ser, e são você, quer queira quer não.

Hoje, Clodoaldo prefere mil vezes morar em uma casa legal em São Paulo do que dividir um puxadinho com a falta de limpeza de um jovem adulto que mora sozinho. Mas Clodoaldo não pode jamais deixar de levar consigo a foto do barraco. Nem a da calça de veludo, e nem a do bebê que ele nem lembra que um dia já foi. Se não fosse por esses Clodoaldos do passado, o de hoje não seria nem a metade do que ele é.

Agradeça o você de ontem por se tornar o você de amanhã, e respeite a importância que ele teve neste processo.

“E aí semente, já nasceu?”

Era uma vez uma jardineira.

Quando criança, Shirley, a futura jardineira, não gostava de plantas. De flor, mais especificamente. De acordo com ela, flores eram objetos sem valor. Dar flor de presente para alguém, então, só mostrava o quanto a pessoa não gostava tanto assim da outra – um presente fácil e que, na verdade, não queria dizer nada.

Ela não admitia, mas para ela, flores eram tão maravilhosamente surreais e perfeitas, que acabavam se tornando feias e banais. Sabe aquela pessoa que você olha e pensa “Meu Deus, essa pessoa é tão linda e sem defeitos que fica até feia e sem graça”? Então.

A vida foi passando e Shirley virou adulta. Por puro e simples prazer de comer, e preguiça de ter que ir no supermercado comprar salsinha para depois de dois dias ela morrer de frio no fundo da geladeira, Shirley resolveu ter uma hortinha em casa. Comprou um vasinho de manjericão, botou na varanda, e lá deixou.

Mas Shirley tinha pena de comer o manjericão. Ele era tão cheiroso! “E se eu tiver botando muita água? E se eu comer tudo e ele não crescer mais?”. Pobre e ingênua Shirley.

O primeiro vasinho morreu de frio. O outro de sede. O terceiro de causas naturais, vulgo falta de sol.

Shirley cansou de matar seu manjericão e resolveu pesquisar mais sobre plantas. Algo dentro dela se conectou com o basilico e começou a enxergá-lo não só como um um alimento, mas como uma espécie de filhote, que precisava de cuidados para viver uma vida saudável.

A vida tem tanta sincronia que fez Shirley se tornar mãe de plantas na mesma época que ela se tornou mãe de si mesma. Deixe-me explicar.

Shirley criou uma horta a partir de sementes de diferentes plantas. Regou com carinho, cuidou delas e as esperou brotarem do chão. A maioria demorou meses pra nascer, outras brotaram rápido mas não deram frutos, e uma outra, que ela tanto ansiava, teve sua terra invadida por uma planta vizinha e não teve espaço pra nascer. Frustrada, Shirley até tentou plantar amor-perfeito algumas muitas vezes, mas a semente não deu nem sinal vida em nenhuma.

Porém, algumas sementes brotaram e se tornaram mudas exuberantes. De ficar parado admirando, quão lindo aquilo se tornou.

Porque a vida é assim. É uma crença pessoal, mas, na minha opinião, tudo que eu faço, por menor ou maior que seja, estou plantando uma semente. Que pode não dar fruto, que pode ser um fruto de uma semente plantada no passado, que pode ameaçar crescer mas não ir pra frente, que pode ser ofuscada por uma semente vizinha que eu nem sabia que tinha plantado, ou pode nunca nascer. Mas é uma semente que estou plantando.

Só isso já daria uma semana inteira de reflexão. Às vezes, a semente que eu plantei pode até nem ser pra mim, mas para benefício de alguém próximo. Outras vezes alguém pode plantar, sem saber, uma semente pra mim, ao fazer algo que me inspira. É muito pano pra pouca manga.

Plantando, nossa personagem super fictícia Shirley passou a entender o quão incrível é esse processo de ver suas sementes, filhas do seu próprio esforço, brotarem do chão. Quando se tem consciência desse processo, viver se torna muito mais leve. Fica mais fácil entender que sementes levam um tempo pra nascer, depois pra se tornarem mudas, e mais ainda pra dar frutos. Que morrer faz parte do ciclo, e que depois é só plantar de novo.

Hoje consigo esperar cada etapa com tranquilidade.

Além disso, se tem uma coisa que eu aprendi esse ano foi ouvir o que a natureza tem pra me falar. Ela é realmente um espelho da vida, e uma fonte de sabedoria infinita.

E eu vi isso na prática, com meus próprios olhos, dentro da minha própria casa. Esses tempos, comprei uma muda de taioba que era bem baixinha, e coloquei ela na sala. Percebi que estava precisando de luz, porque as folhas estavam ficando amareladas. Então, coloquei ela embaixo da janela do escritório.

A janela era mais alta que a planta, mas proporcionava uma boa claridade. Você, leitor, acredita se eu disser que as folhas da taioba criaram um mecanismo de adaptação e cresceram até a altura da janela? A folha amarelada que ela já tinha morreu, e uma nova nasceu, um pouco mais alta que a última. Essa também morreu, e uma nova nasceu, com o caule mais alto ainda. Esse ciclo foi acontecendo até ela chegar-à-altura-da-janela, e depois parou de morrer.

Isso não é simplesmente tão incrível? (!!!!!)

Mais que incrível, me ensinou uma lição valiosa. Se, para se adaptar, uma planta morre e renasce algumas vezes, até conseguir o que quer, porque eu não posso fazer isso também? Não só posso, como devo! Deixar uma versão nossa antiga morrer e nos tornarmos alguém melhor é um ciclo natural, que deve ser repetido até o fim dos tempos. Até eu conseguir o que eu quero, até eu me tornar quem eu quero ser, até eu chegar lá e descobrir um novo lugar que eu quero chegar.

Eu -juro- que a natureza fala. E ela me disse pra não ficar ansiosa e parar de ir conferir todos os dias se minhas sementes já brotaram. Ela me disse para ter paciência e continuar plantando várias sementes todos os dias. Disse ainda que cada uma tem o seu próprio tempo de crescimento, e que, pelo menos uma delas, vai nascer e dar frutos maravilhosos.

Amém

.

.

.

.

Foto: Praia do Campeche, Florianópolis.

Vitimice

Não é que eu estou estou me fazendo de vítima, eu só acho que é injusto isso ter acontecido.

Porque, sabe, não é que as coisas não saem como eu quero, mas seria muito melhor se fosse assim do que assado. Não entendo porque isso aconteceu, parece que eu só atraio problema nessa vida.

As coisas sempre dão certo com todo mundo. O fulano tá ganhando dinheiro, a ciclana tá feliz no trabalho, a fulana se mudou pra Nova Iorque, mas eu, não. Parece que sou a única pessoa no mundo que não consegue viver em paz e ser feliz. Que saco!

Antes parecia tudo mais fácil, não é mesmo? As coisas iam acontecendo, e fluindo… Por que será?

Começo dizendo que é por causa do padrão de vítima. Viver em estado de vitimice é viver achando que tudo lá fora é o culpado do problema, e que o “mundo” vive contra nós. É botar a culpa lá fora, ficar procurando um alguém para apontar o dedo, e mudar de humor com base no que acontece ao redor.

Há uns dois anos, aprendi que a “a saída é pra dentro”. Entendi dentro como sendo (literalmente) dentro de mim, do meu ser, da minha alma, da minha mente. Enquanto que fora é o mundo fora de mim. Aquilo que não está dentro do meu ser, ou seja, o mundo físico, visual, genético, epigenético…

A vítima, ela depende dos acontecimentos lá fora. Ela fica feliz se algo de bom acontece, e fica triste se algo de ruim aparece. Ela sai daqui de dentro, se desconecta da alma – que é só bem-estar – e permanece apoiada pra fora da janela.

Sem perceber que, até certo ponto, ela mesma é responsável por criar as coisas lá fora, a partir do que vem aqui de dentro.

Sem entrar no conceito do 100% de responsabilidade, que é só pros fortes de coração, eu chuto com precisão que a resposta se encontra no padrão de vítima. Que tudo depende de como eu escolho ver/viver a vida: sendo uma vítima à mercê do que cai no meu colo, ou escolhendo, de antemão, como eu quero me sentir daqui pra frente, e projetando um futuro feliz pra mim.

É como se fosse aquela pessoa que reclama que não tem ovo em casa, mas não sai pra comprar uma caixa. Que não gosta do que faz, mas trabalha no banco há 10 anos. Que sabe que o/a parceiro/a não é bom, mas o/a ama demais pra deixá-lo e ser mais feliz que aquilo. Que tá sem dinheiro, mas tem medo de arriscar algo novo. Que…

Basicamente, que prefere continuar no conforto do desconforto, do que buscar o desconforto de um futuro conforto. E que, claro, tem argumento pra cada um desses tais desconfortos.

Estamos todos no mesmo barco. A sociedade que nos condiciona e nos educa para crescermos achando que é normal/legal agir em estado de vítima (que nem essa frase)

Mas, meu amigo, deixa eu te contar uma coisa. Quando a gente sai do vitimismo, uma coisa mais legal que a outra acontece. Abre-se espaço para a imaginação e para a chegada de coisas incríveis & maravilhosas & sensacionais. Já posso até sentir. A alma tem voz pra cantar e, com nossa estabilidade emocional no saldo positivo, trazer mais e muitas positividades. É o tal do good vibes only

E pra sair do estado de vítima, basta se perguntar: qual a lição que isso quer me ensinar? O que devo aprender com isso? Depois, é só seguir em frente.

Já ouviu a palavra do #goodvibesonly hoje? Bora olhar pra dentro e se comparar consigo mesmo! Nada de olhar pro lado, nem de se apoiar pra fora da janela. Bora se limpar do padrão de vítima e começar a assumir as devidas responsabilidades.

Como já diziam os antigos: a vida é bela, nóis que fode ela.

.

.

Foto: Gordon’s Bay, Sydney – Australia

O tal do “quem sou eu”

O que me faz ser quem eu sou? Eu sou mesmo quem eu represento ser? Quem eu quero ser?

24 horas, 7 dias da semana. 365 dias por ano, essas perguntas dão o ar de sua graça. Eu sou mesmo quem eu penso que sou? Eu sou realmente quem eu estou sendo?

Será que, quando eu tinha 17 anos, eu era mesmo quem eu realmente era? Com a mentalidade de hoje é fácil olhar para trás e apontar os dedos. Julgar quem eu fui, dizer que fiz tudo errado, se arrepender, querer voltar, nostalgia, choro, impotência, frustração, conformação. Na semana seguinte, julgar quem eu fui na semana passada, dizer que fiz tudo errado, se arrepender, querer voltar, nostalgia, choro, impotência, frustração, conformação. Daqui três meses, julgar quem eu fui há três anos, dizer que fiz t…

E assim começa a disputa do quem sou eu construtivo contra o quem sou eu destrutivo. Qual predominará as emoções daquele ser?

Esses dias aprendi que depressão é quando a gente resiste em se tornar a nova pessoa que já somos. Sim, eu repito. De acordo com o que o aprendi daquele ensinamento, a depressão aparece quando já nos tornamos uma nova pessoa mas estamos com medo de deixar de ser quem a gente era. Permanecemos no luto entre a transformação do velho para o novo.

Sem entrar no mérito da doença e da dificuldade que pode ser sair dela, e se nos trabalharmos para aumentar nossa disposição para aceitar mudanças? Não, não é fácil, pois é mais confortável permanecer infeliz no conhecido do que aceitar a chance de ser feliz no desconhecido. Porém, é um trabalho diário e eterno que – eu garanto – fica mais fácil a cada dia.

Há dois dias, resolvi aceitar a mudança que evidentemente estava acontecendo na minha vida. Fui obrigada a alterar meus planos para esse momento, e, por mais que foi super fácil aceitar esta mudança, foi difícil conviver com ela. Mais uma vez, foi difícil aceitar que eu consigo enxergar, e sei, que é possível ser feliz nesse novo desconhecido, por mais que muitas trilhas neurológicas de paciência tenham que ser construídas agora.

Mas, vou te contar uma coisa. Assim que eu decidi me desprender do controle mental de controlar o meu futuro – de controlar como as coisas vão acontecer e o que vai acontecer – e simplesmente permitir que meu corpo me mostre o caminho, frutos desse esforço já brotaram!

Agora, me sinto brotando, e com fluidez.

Porém, entretanto, contudo e todavia…… o trajeto requer sentimentos negativos. O choro, impotência, frustração, e conformação são necessários. Graças à eles, me senti obrigada a me rever e me estudar infinitas vezes até entender aonde quero chegar. Cada reflexão de dor me trouxe claridade pra chegar até o prazer.

Volte ali em cima e releia o ciclo que surge ao apontar os dedos. O quem sou eu destrutivo começa a partir do julgamento em relação ao passado, enquanto o quem sou eu construtivo começa pelo choro e adiciona reflexão + mudança em sua fórmula.

Convido você a, hoje mesmo, se policiar para não tomar a rota destrutiva e, por livre e espontânea pressão, iniciar o ciclo do quem sou eu construtivo.

Se não está conseguindo encontrar saída, a solução não é questão da mente, e sim do corpo.

.

.

Foto: South Island – New Zealand

Círculos de ciclos

É como um ciclista que anda em círculos e não sabe para onde vai.

Dá de ver acontecendo, dá para perceber passando, dá para quase tocar, mas não dá para controlar. Às vezes, passa muito rápido. Mas muito rápido mesmo, questão de horas, dias, ou segundos. Outras vezes, passa devagar quase parando. Andando pra trás, dando voltas, um ciclo demorado que parece não acabar nunca.

Na minha vida pessoal, eu sei que vivo um ciclo que ainda não se acabou, e que começou fazem 3 anos. Um não, dois. Tenho consciência que há dois ciclos acontecendo na minha vida, que ainda não se acabaram totalmente, e que começaram à três anos atrás.

Porém, tem dias que eu vejo um ciclo começar e se acabar tão rapidamente, como se eu tivesse piscado um olho e, ao abri-lo novamente, já havia se evaporado. Num piscar de olhos, minhas emoções durante o dia vem e vão, acordando empolgada e indo dormir com raiva, tomando café da manhã tristonha e jantando com um sorrisão alegre no rosto. Dentro de um dia, eu visito inúmeros e diferentes ciclos de humor e pensamentos.

Já vi também ciclos semanais. Antes do Natal, passei a semana triste e completamente desesperançosa com a vida. “Não adianta, não tem jeito, o ano acabou e não consegui o que eu queria. Sou um desastre mesmo.” Na semana seguinte, já estava inundada de esperanças e planos para o ano que promete, com a certeza de que tudo iria dar certo e algo novo estaria por vir.

Mulheres, já conversaram com seu ciclo menstrual? A fonte da sabedoria, o pote de ouro embaixo do arco-íris. O olho que tudo vê e tudo sabe, que tudo sente, que tudo limpa, que tudo renova. Menstruação é ouro, é choro, é sujeira, é pureza, é esperança. Ela me diz tudo que eu preciso saber, me mostra os caminhos, me guia em direção aos meus sonhos, chama minha atenção ao que preciso melhorar, me dá feedback sobre minhas ações, me conecta com o meu ser.

Ela é pesada. Carrega infinitas gotas de sabedoria. Carrega o fim e o início de um ciclo, carrega dois ciclos de uma vez só. Ela é a velha sábia, a mulheridade, feminidade, a minha La Loba.

Se você conseguir conectar, sincronizar mente e menstruação, não há medo que sobre, não há dúvida que reste, não há meta que não seja atingida. Não há ciclo que não seja identificado. Muitos ciclos externos revelam suas fases durante a menstruação, e o próprio ciclo menstrual revela a fase interna da mulher naquele momento. Como?

Seu ciclo já atrasou uma semana? Duas semanas? Quatro dias? Dois meses?

Aparentemente, sem nenhuma explicação, ciclos menstruais (naturais) se atrasam, pois eles são e estão em perfeita sincronia com a fase interna da mulher. Com o conjunto de emoções daquele momento, com os desafios, com as lições, e com tudo que a deusa está passando. Se atrasam para se alinhar à lua e potencializar a concretização de um objetivo, se atrasam para se alinhar à lua e permitir que a fase introspectiva se estenda mais um pouco.

A vida dá voltas e ciclos são feitos de círculos. Tem começo, meio, e fim. Esse fim é o vazio, é a transição de um ciclo finito para um ciclo melhor. O vazio é o ponto de intersecção aonde as linhas de um círculo se encontram para fechá-lo – é o fim de um junto do início de outro. É o lugar de infinitas possibilidades, de descanso, de carregamento da bateria. O vazio permite a renovação de sonhos e comemoração de conquistas passadas.

Já reparou nos seus ciclos? No ciclo menstrual, no diário, no mensal, no semanal. No anual, e naqueles ciclos anuais. Eles são excelentes fontes de sabedoria e conexão do ser. Do ser humano mesmo, seja ele homem ou mulher, pois ciclos não fazem distinção de raça, cor, gênero, nem credo.

Ontem, eu oficialmente encerrei um ciclo. Amanhã, eu oficialmente iniciarei um novo. Durante a noite de ontem para hoje, eu menstruei. E isso realmente aconteceu.

Se isso não representa sincronia e sabedoria, eu não sei mais o que coincidência não é

.

.

Foto: Praia da Silveira, Garopaba – Brasil

Tem muito barulho para pouco silêncio

Barulhento.

O som do teclado, da música de fundo, da conversa paralela, da cebola na panela. Som de portão se abrindo, de gritaria. Abaixa, por favor. Diminui o som?

Não dá de ouvir nada quando se tem muito barulho ao redor. Como eu vou me ouvir se, só o que eu consigo escutar, é o barulho das ondas lá fora? Ondas, não do mar, mas das inúmeras frequências de som que pairam por aí.

Hoje em dia, não se tem mais paz. Sim, eu sei: A paz é interior e ela mora dentro da gente. Não dá pra encontrar paz lá fora porque ela tá aqui dentro. Porém, ao mesmo tempo, não dá para encontrar paz aqui dentro se eu não tiver um pouco de paz lá fora.

Quando tem muito barulho, tudo fica confuso. Fica difícil distinguir o que é importante do que é só barulhento, distração. Barulho sendo tudo aquilo que parece ser relevante, mas não é.

Repito: Barulho sendo tudo aquilo que parece ser relevante, mas não é.

Por exemplo: Digamos que você está prestes a se tornar mãe, ou pai. Você tem que escolher o nome do seu filho, porque isso é algo importante. Você começa a ler livros e mais livros sobre significados de nomes, mas no fim acaba eliminando todos, pois cada um te lembra de uma pessoa que você não gosta. Faltam algumas semanas pro neném nascer, e você ainda nem escolheu o nome.

“Maria” é nome de aquariana, “Juliana” é de áries, mas minha filha será sagitariana. “Carla” me lembra da vizinha chata que tive ano passado, “Flavia” já é filha da minha amiga. Tô entre “Ciclana” e “Fulana”, mas não consigo me decidir…

A bolsa estourou e o bebê nasceu. Tá na hora de levá-lo pra casa. Quem vai ajudar? Como vou me organizar? Qual quarto ele vai ficar? Tem que comprar fralda? Quem vai ser a babá?

Provavelmente, assuntos – de fato – importantes terão passados despercebidos, pois o foco estava no barulho. No nome do bebê. No que não importa. Sim, é importante que o bebê tenha um nome, mas é realmente tão importante assim qual será o nome do bebê?

Isso é só uma ilustração para a gente refletir. A vida é -cheia- de barulhos, sejam eles de fato um som ou simplesmente pensamentos barulhentos. Que, de tão altos, não nos permitem se ouvir. Se escutar, escutar o que o nosso corpo tem pra falar.

Pensamentos barulhentos.

Cada vez mais, eu percebo o valor do silêncio. O valor de escutar só os sons que realmente importam. Parar, escutar os sons naturais ao nosso redor, aqueles que não tem como abaixar, e se permitir escutar os sons que vêm de dentro.

Deixa esses sons falarem e te entregarem a resposta de todos os seus desafios. Tá tudo ali. A nossa alma é sábia. Escuta a velha sábia, o que ela tem pra te ensinar. Deixa o corpo se sincronizar com a mente e, em perfeita harmonia, te guiar para o melhor dos caminhos. Senta, respira, levanta, caminha, dança, respira. Fica em silêncio. Desliga a TV, abaixa o som da música, ouve o som do coração, da respiração.

A respiração traz a resposta de tudo. Mas é tanto barulho, que a resposta se perde pelo ar e a gente nem vê, nem escuta. E fica ali, lutando pra encontrar uma solução lá fora, sendo que é só buscá-la aqui dentro.

Recomeçar, continuar. Rebobinar até o começo. Voltar duas casas e jogar novamente, ou só continuar em frente. Agora eu quero ir pra direita ou pra esquerda? Ambos os caminhos estão abertos, mas qual deles você prefere tomar?

Elimina o máximo de barulho possível, o máximo de pensamento denso e de som barulhento, e segue o caminho que sua respiração te falar.

.

.

Foto: Bahia – Brasil

Procure o Ouro.

Um belo dia, uma raposa decidiu sair de sua casa, em uma região norte da ilha de Java, e partir em direção ao sul. Ela estava determinada a encontrar a galinha dos ovos de ouro, cuja qual tanto ouvira falar quando era criança. Sua mãe lhe contava histórias e mais histórias sobre como a galinha era poderosa, e como os ovos de ouro eram belos e brilhosos.

Durante toda a sua vida, a raposa passara cansada. Estressada. Maldito stress, esse que tanto nos tormenta! Porém, ela finalmente tinha tomado uma decisão. Iria sair em busca da galinha dos ovos de ouro, para assim se tornar poderosa e ser tudo que sempre quisera ser. Iria sair em busca da paz, da calmaria, daquela brisa leve de verão.

Ela decidiu ir pro sul pois estava cansada do norte. Nascera, vivera – e agora escapou de – morrera no norte. Cansada do que, exatamente, ela não sabia. Só sentia. Sentia que tinha mais lá pra baixo. Mais vida, mais calmaria, mais paz. Paz de espírito. O que mais, exatamente, ela não sabia. Só sentia.

Encontrar a galinha dos ovos de ouro parecia uma ideia promissora. “Assim que eu encontrá-la, terei alcançado minha meta. Serei feliz, calma, e pacífica. Leve como uma pluma. Ahhhh, o ouro!”

O caminho pro sul era praticamente todo ensolarado. Estava bem quente, mas batia uma brisa leve de verão que deixava o clima bem agradável. Era rodeado de flores e pássaros cantantes. A coisa mais linda de se ver!

Porém, assim que chegou um metro adentro do caminho, a raposa pisou em uma pedrinha e cortou um dos dedos de sua pata. Doeu. “Mas que saco! Tudo parecia ir tão bem. Eu finalmente tomei a decisão de ir em busca do que eu quero, e agora não consigo mais caminhar direito. E tem todo um caminho pela frente… não sei se consigo aguentar.”

À noite, fez frio. Choveu. Caiu uma nevasca. E a raposa nem estava preparada pra isso, achou que só fazia calor ali no sul. Além disso, ela também não sabia, mas os pássaros haviam começado uma guerra contra um outro bando e agora suas canções haviam se tornado gritos de protesto.

O outono estava chegando, então as flores não estavam mais tão bonitas assim. Estavam caindo e a paisagem começando a ter tons mais escuros e terrosos. “Esse caminho não era como eu imaginava”, disse ela enquanto atravessava a floresta de Araucárias. “Eu não consigo nem enxergar o que tem na minha frente, com essas árvores gigantes atrapalhando a minha visão. Como sou capaz de prosseguir?”

O inverno veio, e com ele temperaturas de -15 graus Celsius. Mais chuva e nevasca. O trajeto inteiro havia sido instável, tendo chovido, feito frio e calor o tempo todo, às vezes até no mesmo dia. Nem a nova chegada do verão foi capaz de aumentar os ânimos do animal. Estava agora cansada e estressada, e já não aguentava mais caminhar.

“Cadê essa maldita galinha?”, reclamou ela.

E como toda boa história que se preza, nesse momento pode enxergar a ave bem na sua frente. Mas sem os ovos de ouro. A galinha apareceu bem na frente da raposa, mas sem o tal dos ovos dourados, que eram tão belos e brilhosos.

“Procure o ouro”, disse a galinha. “Os ovos, há tempo já se foram. Eles não existem mais. Mas o ouro, ele continua. Ele existe há todo instante, basta procurá-los. “

E continuou dizendo: “Ao reclamar do corte em uma das patas, e se apegar à isso, você, Dona Raposa, deixou de aprender a caminhar com as outras três patinhas que restaram.

Ao se apegar à chuva, você deixou aproveitar a água para se lavar. Quando caiu a neve, em vez de reclamar e se apegar à ela, você poderia ter usado-a a seu favor, aprendido a esquiar, e acelerado a sua chegada até mim. Deixou de catar as folhas que caíram do outono para preparar um casaco e se esquentar no inverno. Deixou de ouvir o canto dos pássaros enquanto ainda existia, de curtir o verão e apreciar a paisagem.

E chegou até mim cansada, e estressada.”

Não procurou o ouro que cada situação lhe trazia. Não procurou o ouro em cada situação que lhe acontecia. Pois saiba que nada é em vão. Tudo acontece em prol da evolução. Desafios são belos, e nos permitem brilhar toda vez que os superamos. Tudo, tem seu lado positivo e enriquecedor.

Basta, sempre, procurar o ouro.

.

.

Foto: Utrecht – The Netherlands