Lições de Croquete & Sanduíche

Sabe essas agências de trabalho em que a gente se inscreve pra trabalhar em eventos aleatórios? Ou eles ficam com os seus dados e te chamam para “trabalhar recolhendo ingresso no show da Adele nesse sábado” ou, pelo aplicativo, você escolhe o dia que está disponível e se aplica pro evento que pagar mais (eu vou pelo que dura menos tempo).

Pá pum. Vai lá, fica pensando “que que eu tô fazendo aqui”, fica se perguntando porque aquele colega de trabalho tá animadão pra servir croquete durante 6 horas nessa feira de agrônomos holandeses, pega dois ônibus e um trem de volta pra casa, e recebe o pagamento duas sexta-feiras depois no valor de 60 euros.

Na época, no dia da Adele meu chefe sacana me recrutou pra trabalhar e não pude ir (alguém não sabe o que é dois empregos?). Mas aí pra compensar fui recolher ingresso em um evento super descolado que até hoje não descobri direito o que era, e outro dia fui paga pra passar maionese no sanduíche de uns universitários enquanto minha colega era paga pra botar o picles e a cebola no pão.

E foi a botada de picles e cebola no pão mais marcante que eu já presenciei. Aquilo mudou minha vida. As três horas de contato que eu tive com essa colega foram inspiradoras. Ela me contou que esse era o único trabalho dela, e como ela amava trabalhar ali. Ela só via perfeição em trabalhar das 9h às 16h em pé servindo os alunos e montando o sanduíche que eles pediam. Ela trabalhava ali há anos – porque queria. Ela sorria o tempo -inteiro-, conversava com todo mundo, e até elogiava o cabelo das alunas.

Outro dia, eu tava pistola servindo croquete para aqueles agrônomos holandeses. Eu sou muito #teamorgânicos e estava ali alimentando aqueles compradores de pesticida, botando comida na mesinha daqueles homens prestes a comprar um novo trator para jogar agrotóxico na lavoura.

“Dank je wel!”. Que mané “obrigada”, irmãoooo

Mas enquanto eu trabalhava na feira de cara amarrada, sem valorizar na verdade o quanto a Holanda tem um trabalho lindo com seus alimentos, minha “chefe” do dia trabalhava felizona. Ela pegava aquela bandeja hiper pesada cheia de croquete como se fosse uma pluma, e andava pela feira se divertindo e rindo com os convidados.

Ela me contou que a vida dela era essa. Ela trabalhava em qualquer tipo de evento, para qualquer agência, sempre na forma de trabalho informal. A carreira dela era se aplicar para eventos aleatórios, marcar presença no dia, e esperar a grana cair na conta no final da semana. Ela tinha 40 anos, e fazia isso há no mínimo 20.

Não é lindo?

Talvez você não tenha captado, mas o post “Cara, cadê meu carro?” fala, na verdade, sobre diferentes formas de se viver. Existem inúmeras formas de se viver.

Eu não sei se é por causa da cultura que eu venho ou o quê, mas eu admito que pra mim é estranho imaginar não ter uma carreira. Ou ter uma carreira diferente da que eu imagino – profissões formais e overrated, mais do mesmo. Mas é tão inspirador viver experiências “aleatórias”, sair da caixa, conhecer novos olhares, novas vidas, novos objetivos.

Mais inspirador ainda é ver as pessoas (realmente) felizes fazendo tarefas que não é todo dia que eu paro para valorizar. E não é como se elas estivessem ali porque precisam. Elas estão ali porque esse é o instrumento delas, porque elas querem. Não é todo mundo que quer ser o Bill Gates com 20 anos de idade ou se hospedar no Conrad toda férias de verão.

Poderia escrever um livro de tanta coisa aleatória que já vivi. Ainda bem. Que eu viva mais infinitas experiências aleatórias, e que me tragam muita sabedoria. Muitas novas vidas, formas de vida. O meu mais sincero obrigada a essas colegas por me serem e me ensinarem tanto.

O social distancing é bom.

“Sim sim, já estou indo. Só vou acabar aqui essa cerveja e já vou embora.”

“Mas já?”

“Sabe o que que é, tem gente me esperando. Tenho outras vidas pra passear e outros ensinamentos pra compartilhar.”

“Ah, então tá. Obrigada pela visita. Foi muito bom estar com você durante esse tempo. Aprendi bastante, mas agora a gente já é diferente. Fique à vontade pra voltar se quiser, senão te acompanho de longe. “

O social distancing é bom, ele existe desde sempre, e nunca vai deixar de existir. E ele não tem -nada- a ver com isolamento social ou internet.

Sabe quando, a gente fala com alguém, e a gente sente? A gente só sente, a pessoa indo embora, a amizade se afastando, as coisas mudando. A gente sente que já não é mais o que foi. Eu sei, sempre muda, mas já não é mais o que era antes.

Esse momento é louco. Diversas pessoas passam pela vida da gente. Diversas pessoas, passam, pela vida da gente. Mas elas passam mesmo, de deixar de estar presente. Elas continuam ali, vivendo a vida delas, mas não fazem mais parte da nossa.

Esse momento é louco. Pra mim dói. Sempre doeu. Lembro de absolutamente todas as pessoas que passaram pela minha vida, e tenho um carinho bizarro por todas elas. Ele acha que eu não lembro dele, ela pensa que eu esqueci quem ela foi. Esqueci, não.

João falou pra Maria que falou pra Pedro que Pedro é o melhor amigo de João. João e Pedro são muito amigos, quase irmãos. Viajam juntos, conhecem a família – e os problemas – um do outro, parece que são amigos desde sempre. Que bom é ter João, disse Pedro.

Pedro entrou na faculdade. Mudou de colégio, começou natação, conheceu Magali. Pedro continuou ali. Mas João cortou o cabelo, se apaixonou por Maria, começou aula de canto e se mudou pra outro bairro. João continua ali. Se esforçando. Os dois. Vamos marcar algo na sexta. Sexta não dá, tem que ser quinta. Quinta vou cortar a unha, tem que ser segunda.

Semana que vem, então. Em novembro. Eu vi ele ontem!

É inevitável. Pedro ama João e aprendeu muito com ele. Tudo que eles viveram foi bom e tá guardado no coração. Mas Lucas tá chegando e João tem que dar licença. Pedro tem que aprender coisas novas, João tem que ensinar outros a jogar futebol. João tem que aprender mais sobre a vida, Pedro tem que ensinar Carlos sobre economia.

É inevitável. É o fluxo natural da vida. Um dá lugar pro outro, um preenche o lugar do outro. Hoje, eu sou quem eu sou, porque tantas pessoas passaram pela minha vida. Gratidão eterna por cada um. Mas espero que tantas outras também passem. Decidi que, em vez de lutar contra, vou aceitar. Receber, agradecer, e deixar ir.

A vida inteira, muitas despedidas foram um luto pra mim. Doeu. Internamente, mas doeu. Mas o social distancing é bom, porque ele é um feedback externo de uma mudança interna. Eu to mudando, ele tá mudando. Ninguém pra melhor ou pra pior, são só mudanças.

Agora eu vou pra lá, ela pra cá, e a vida é uma dança. Quem sabe a gente dance junto de novo! Quem sabe tem outros que dancem melhor que eu! Que gostem de samba, ou que prefiram axé. Hoje eu tô na roda de pagode, amanhã é dia de baile funk. Quem vai dançar comigo hoje?

O meu, não.

O meu, não. Aquele ali, sim. Esse aqui, não. Esse aqui é diferente.

O meu? Não.

Esse aqui é dos bom, aqueles que só se acha uma vez na vida. Ele é boa gente, gosta de cantar, fingir que se perdeu e depois mostrar o caminho de volta pra casa. Ele é confiança, segurança e nem sempre tá disponível pra falar do passado.

Ah, o passado. Ele não me engana. Um dia, ele me disse que o futuro pode ser feito da memória. A gente nasce e vive coisas. As coisas crescem e a gente carrega elas junto. O que a gente vê, é baseado nas coisas que a gente carrega e no que elas fizeram crescer dentro de nós. O que eu enxergava, só era baseado no que eu achava que acreditava.

Se eu soubesse que o que eu enxergava só refletia o que eu acreditava, teria acreditado diferente. Teria pego as coisas que eu carregava, botado em um saquinho, e levado de volta pra casa. Chegando em casa, eu teria falado: “olha, daqui pra frente é diferente”. Saiba que, daqui pra frente, tudo que acontecer só é um reflexo do que eu quiser que aconteça.

Daqui pra frente vai ser diferente. Eu vou pegar o saquinho da memória e fazer ele enxergar o que eu quiser que ele acredite. Tá acompanhando? Eu vou tentar simplificar.

Ontem eu conheci uma pessoa. Ele é boa pinta, homem de família, boa gente. O pai é juiz e a mãe, engenheira. Ele perguntou como eu achava que o que eu vivi antigamente influenciou no meu presente. Eu disse, olha… Não é bem assim… O que passou, passou. O presente é o agora e nada mais importa.

Ele é insistente, e surpreendente. Quando eu conheci, logo queria sair. Mas ele ficou, me puxou pra um canto e falou: fica mais um pouco?

E eu sou independente. Não preciso de ninguém. Finalmente não preciso mais dele. Mas o moço é tão surpreendente que me fez querer ficar mais meia hora. 40 minutos, 1 semana.

Acho que ele é diferente. Esses dias peguei ele sendo normal. Sendo só mais um. Mas aí puxei meu saquinho da memória e falei “olha, daqui pra frente, tudo que acontecer só é um reflexo do que eu quiser que aconteça”. O que eu enxergar aqui vai depender do que eu quiser acreditar.

O meu? Não. O meu não é igual. E o meu futuro não vai ser feito da memória. O que passou, passou.

Depois do bar, ele prometeu me levar pra casa se eu ficasse mais um pouco. Falou que ainda era cedo pra ir embora. Aceita mais uma?

Acho que ele é diferente. O que eu quero que ele seja?

Sou (toda) ouvidos

“Sério, por que essa pessoa inventa de botar esse brinco aqui? Ah, eu não vou deixar que mexam no meu território. Eu sou a abelha rainha e essa cera é o meu mel.

Que nada irmã, essa aí nem nos notou. Passou a vida inteira nos olhando mas nunca nos enxergou. Nos fantasiou, endereçou, limpou, mas prestar atenção que é bom, nada!

Ah, pois é. Semana passada eu me revoltei e inflamei. Quero nem saber, por bem ou por mal eu reivindico meu direito de ser ouvida. Quando é pra saber dos outros a gente presta né, agora quando é pra saber de si não tem santo que lhe faça ouvir!

Ah, pois é. Quando é pra apoiar o Ray Ban a gente presta né, agora quando é aparecer no penteado a gente tem que se esconder. Quando é pra ouvir elogio a gente é toda ouvidos, mas quando a crítica aparece a gente finge que nem escuta. O que será que ele tava falando mesmo? Que não gostou? Peraí, não tô ouvindo”.

Hoje, enquanto minhas orelhas conversavam, eu percebi que elas estavam ali. Percebi que eu tenho uma orelha esquerda e uma orelha direita. Quando eu me olhei no espelho, lá estavam elas: duas orelhas. A direita estava quente como o verão, vermelha. Quase pegando fogo. A esquerda estava gelada, brisada, cansada. Cansada de não ser notada. Cansada de ser toda ouvidos. Cansada de ser manipulada.

Hoje eu finalmente percebi que eu realmente tenho duas orelhas. Uma esquerda, e uma direita. A direita estava gelada como água em temperatura baixa. A esquerda estava quente como água fervente. Aliás, faltou água quente. Eu moro sozinha e para resolver o problema da água tenho que ligar pro gerente.

Só mês que vem, disse ele. Enquanto isso, fica aí resolvendo o seu problema. Bebe uma Corona e fica em quarentena. Quem sabe assim você aprende, que, a gente quando é presidente, sabe de nada, inocente. Sabe de nada da gente.

Hoje eu percebi que eu escolho o que eu quero ouvir. O que eu quero ver. Como eu quero entender. Hoje eu percebi que meu corpo dá sinais. Sinal verde, vermelho e amarelo. Fica aí a reflexão.

É tanta coisa que passa despercebida na correria do dia a dia, né? Ou seria, ignorada? Adiada? Eu não tinha reparado nas minhas orelhas, mesmo elas estando ali desde que eu nasci. O que será que eu vou descobrir amanhã? Que esse tempo me permita evoluir.

Cara, cadê meu carro?

Chegando em Kalibo, fechamos o olho e apontamos pra uma das 15 vans brancas paradas na frente do aeroporto. Todas iguais. Vai essa mesmo. Sem Zika, seu vírus, teu alerta ficou pra trás lá no saguão. Agora eu tô nas Filipinas.

Duas horas de van até chegar no porto. Durante o caminho, o motorista “pedia” para os 6 passageiros se espremerem enquanto as crianças iam entrando. As aulas do dia tinham acabado e a van escolar também fazia bicos de van pra turista.

Ao som de Bob Marley, um barco me levava pra lugar algum. Acordei de manhã com passagem pra Burma, mas há duas horas estava nas terras de Duterte.

Terra à vista! Aquela palmeira não me engana. Ainda tem uma hora de Tuk-Tuk até chegar no Mad Monkey. Eita, aonde eu tô? Quem é esse senhor que tá me carregando pelo pôr-do-sol mais bem colorido que esse universo já me deu?

Lá é terra, casa simples, barulho. Muito barulho. Quanto barulho se escuta todo dia. Finalmente um silêncio.

“Então, de Itaparica vocês pegam um barco até lá. De lá, são quatro horas de ônibus até a metade do caminho. Depois, pegam outro ônibus e depois um barco. Aí chegou no Morro.

De Moreré, vocês caminham pela praia até encontrar a estação dos tratores. Pega um trator ou um quadriciclo até Boipeba. Daí caminham umas horas e pegam um barco para Barra Grande. De lá, procura alguém que te leva até o Cassange”. Ô mainha, essa Bahia é de rei.

Mas cara, cadê meu carro? Ele, que é minha casa, meu porto seguro, não vai nem carregar minha mochila? Que nada. Me abandonou pra tomar gasolina no bar. Então eu vou de bicicleta. Esse é meu único meio de transporte agora mesmo.

Sem tempo, irmão. Sem. Tempo. Irmão. Eu não tenho tempo pra viver a mesma vida durante uma vida toda. Olha a quantidade de opções que existe por aí. Barco, trator, moto, trem, bicicleta, tuk-tuk (!) Quem sou eu para caminhar só com minhas pernas?

Já recrutei minhas mãos e avisei que da próxima é a vez delas. Eu sou internacionalista e é isso que internacionalistas fazem. Eles não sabem diferenciar mãos de pernas, ônibus de avião. Mas e eu que sou dentista?

Você é humano? Então pronto. Não sabe diferenciar também. Só não aprendeu ainda. A partir de agora, tá liberado se virar com o que tem e viver mais do que não convém.

Eu não sou nada. Eu estou sendo algo. Eu sou tudo. Quando me chamaram pra andar de Jeep nas montanhas deu um buggy no sistema e de início eu recusei. Me assustei. Mas depois entendi. Então é isso que o surfista sente quando anda de skate?

Sabe-se lá qual será meu meio de transporte da próxima vez que a gente conversar. Provavelmente um patinete, porque ainda tenho medo de subir naquele que é elétrico. Mas a verdade é que não importa. Eu ainda vou andar por todos. O fato é que eu achava que precisava de um carro.

Hoje eu nem lembro aonde estacionei. Acho que vendi. Me pagaram em sonhos. Ninguém resiste àquela oferta do dia tentadora né? Compre um sonho e leve dois. “Só hoje, se você levar um abridor de mão da marca Zona de Conforto, você concorre há quatro novas chances de viver algo incrível e quinhentos mil novas possibilidades em retorno”.

Feminidade

Feminidade. Quase um feminismo. Mais que isso. Feminidade.

Se tem uma coisa que eu admiro é mulher. Todo tipo de mulher. Mulheridade. Mulher não tem idade.

Mulheridade é… o quê? É uma canção cantada desde os velhos tempos. Ancestralidade. Tem coisa mais bela que a anciã? Mulher sábia, mulher selvagem. Mulher-esqueleto. Eu carrego a minha comigo sempre.

Já dizia a velha sábia. Aquela que nada teme, tudo vê. Uma vez ela me disse que minha intuição não erra nunca. Mal sabia eu que intuição não é instinto. Mal sabia eu que eu carregava a lua dentro de mim. Até hoje.

Mulher não se ajuda. Se julga. A mulher de hoje em dia só quer saber de reclamar do patriarcado. Cadê a atenção pro matriarcado? Igualdade? Possibilidade? Humanidade.

Ah, se a velha sábia soubesse. E se eu contar pra ela, que a mulher hoje vai pra rua reclamar da opressão? Ótimo. Que ela joga pra fora toda a energia que tem dentro? Peraí. Que ela descarrega sua potência implorando pro mundo lhe dar atenção, quando ela mesma não se dá? Eita.

O feminismo é todo dia. Ele é vivo, ele é dinâmico. E se eu contar pra velha sábia que eu não marchei no dia das mulheres? Hmm… Tira esse -ismo. O ismo não é condição. Bota um -ade. A de quê? A de artigo feminino.

Ô dona moça, eu tô entendendo é nada que cê tá dizendo.

Fala com a velha sábia. Pergunta pra ela que ela vai te responder. Um dia eu vou ocupar o lugar dela. Tá mais que na hora de ouvirmos suas histórias, o que ela tem pra nos contar.

Ô mulher, faz isso contigo não. Ela é tão linda. Um dia ela já foi baleia, hoje ela é sereia. Ela é mãe. Avó, tataravó. Bisavó. Eu carrego elas comigo, e você também. Eu sou mulher e minha potência orgástica é infinita. É um acúmulo de potências que me guia ao encontro da minha.

Um texto sem pé nem cabeça, porque ele é o corpo todo. Você, que é mulher, liberte-se. Dê uma passadinha lá na vila, a velha ta te esperando. Ela tem tanto à dizer… Bruxa-má. Bruxa-boa. Pega a vassoura e sai voando. Espalha por aí esse encanto.

O homem, ele é lindo. Mas ele só reproduz o que aprendeu. Basta ensiná-los diferente. Levar o ódio pra passear no dia das mulheres não é lá grande ensinamento.

Muda a frequência desse rádio aí, sintoniza na rede Feminidade. Lá, você encontra depoimentos de todos os tipos de mulheridade. Tem tons de pele, sexualidade, orientação sexual, altura, gordura, estria e celulite. Tem todo tipo de manifestação externa de dor interna. Tem todo tipo de cura. É um paraíso.

Vou contar pra velha sábia que o -ismo foi embora e deixou o -ade em seu lugar. Vou contar pra velha sábia que a mulher selvagem tá cantando e ela trouxe a mulher-esqueleto junto. Elas tão chegando. Tô sentindo o cheirinho de café quentinho.

Trava-língua

E de repente eu travei. Tava tudo indo tão bem, e aí eu travei. Eu estava animada, encantada, apaixonada. E não é por ele não, moço, é por mim sim. Mas aí eu parei e não consegui mais continuar.

Estava tudo indo tão bem, e aí eu travei. Cansei, sentei no muro e lá me deixei. Tem vezes que a gente começa algo e depois não consegue mais continuar, né? Por quê?

A ideia de voar com os pássaros me parece tão bem. Mês passado eu decidi tentar. Por que não? Peguei minha escadinha de madeira, corri lá pro sertão e pedi pro Seu Gavião me ensinar a voar. Ele me disse: “Olha, vai ser difícil. Antes de tudo, você vai ter que realmente querer voar.” Eu falei que isso não era problema, porque eu queria mesmo. Quem não quer esbarrar com um avião enquanto vai no supermercado fazer a comprinha da semana?

Ele disse: “Então tá bem. O primeiro passo pra voar é acreditar na possibilidade do voo. Sente-se aqui e fique duas horas conversando com seus pensamentos, e escute o que eles têm a dizer”.

Mas que absurdo! Eu peguei minha escadinha de madeira, corri lá pro sertão, pedi pro Seu Gavião me ensinar a voar e ele me manda ficar sentada encarando meus pensamentos? Eu quero logo é sair voando por aí!

De cara emburrada, sentei. Logo já me dei de cara com o Sr. Medo, que naquele dia estava trabalhando de porteiro pro hotel em que eu tinha feito uma reserva. “Você vai passar a noite aqui?”, disse ele. Eu acenei com a cabeça, e, sem sucesso, tentei fugir da conversa. Mas ele é insistente, e ficou umas duas horas ali trocando uma ideia comigo.

Sabe, eu fui pegando gosto pela coisa. Aquele senhor de testa franzida e barba grisalha a princípio não me agradava – nenhum pouco – mas sua insistência me obrigou a ficar ali parada ouvindo o que ele tinha pra me dizer. E até que acabei gostando da conversa. Sabe o que ele me disse? Que seu nome era Medo porque sua mãe, Coragem, havia o abandonado quando era criança, e seu pai, Persistência, estava tão abatido com a falta de Coragem que resolveu descontar no pobre garoto. E depois fugiu. Uma tragédia!

Mas estava tudo indo tão bem, que decidi aprender a voar. Seu Gavião me disse então que o segundo passo agora era treinar o voo, e persistir. “Ser mestre no básico”, disse ele.

Mas que absurdo! Eu peguei minha escadinha de madeira, corri lá pro sertão, pedi pro Seu Gavião me ensinar a voar, ele me mandou ficar encarando meus pensamentos, conversei com o Sr. Medo, e agora ele me manda treinar e me tornar mestre no básico? E persistir? E se me faltar coragem? Quem vai cuidar do medo?

Estava tudo indo tão bem, e aí eu travei. Estava animada, encantada, apaixonada pela ideia de voar com os pássaros. Mas comecei. E aí percebi que ia levar um tempo até eu esbarrar com um avião no meio do caminho pro supermercado no dia de fazer a comprinha da semana. E aí me apoiei nesse muro pra amarrar meu cadarço e por aqui fiquei.

Ei! Quer saber? Eu acho que a culpa é do Seu Gavião! Ele que não sabe ensinar! Gavião nem voa direito! Se eu resolvi voar, tenho que ter aula de voo, oras bolas. Que mané história de ser mestre no básico. O básico serve pra que?

Eu vou tentar de novo. Vou pegar minha escadinha de madeira, correr pra direção oposta do sertão e pedir pro Seu Avestruz me ensinar a voar. Esse sim vai me dar aulas de voo! O Sr. Medo que converse sozinho. Será que algum dia Persistência vai voltar e perdoar a falta de Coragem?

Respeita a minha fase

Eu tô em uma fase que critica muito. Critica tudo. Mas não no sentido de criticar (apontar o dedo/julgar), mas no sentido de criticar (questionar). Tô questionando tudo. E eu nunca fui assim. Acabei de me tocar que estou nessa fase. E vim aqui escrever.

Eu ando criticando tudo. Prestando muita atenção no que sai da boca das pessoas – na verdade isso eu sempre fiz. Fiz muito e tenho feito mais ainda. Quero só ver o quanto eu farei no futuro.

O ponto é que eu ando prestando muita atenção nas pessoas. Nas palavras principalmente. Mas principalmente no olhar e nos gestos. Principalmente no contexto da vida delas, na verdade. Me desculpa, mas eu tô te observando.

Eu sempre fui bela, recatada e do lar. Sempre fui um mulherão da pourra e sempre me senti bem pra frentex. Mas eu sempre fui beautiful, modest and from home. Fazia mil e um questionamentos na minha cabeça, mas externava zero. Medo de estar errada. Medo de ser julgada. Medo de ser questionada.

Medo de estar certa. Medo de ter uma opinião forte. Medo de mostrar a minha visão dos fatos às pessoas e fazer elas verem o quanto estavam “erradas” (o certo não existe, não é mesmo?).

Medo de brilhar. Fiz terapia por um bom tempo e esse era um tema hiper corriqueiro. Eu sempre soube que minha luz era muito forte e tinha medo de brilhar demais. De ofuscar a luz dos outros. Muito fofo de mim pensar isso, mas hoje eu fortemente imagino que todos os outros seres humanos tenham o mesmo medo.

Cada um tem sua luz. Seu brilho. E, pro meu mundo, a minha luz brilha mais que a dos outros. Pro seu mundo, a sua luz brilha mais que a dos outros. E é assim que tem que ser. Se cada um for o centro do seu universo, o mundo vira um lugar melhor.

Por favor, não me entenda mal. Não é pra ser egoísta e sair achando que “só eu que importa”. Tenha bom senso. O que eu quero dizer é o amor próprio. Se eu me amar tanto, a um nível que chega a transbordar, eu tenho amor de sobra pra oferecer pro outro. E eu não preciso de nada em troca, porque já tá tudo preenchido em mim. Eu só ofereço amor, com amor.

Eu tô tão feliz em estar começando essa fase de ativista. Ativista das minhas opiniões. Também estou feliz em ter a consciência de que externalizar opiniões é perigoso, e tenho que fazer isso com cuidado. Eu tenho sim que criticar (questionar) e posicionar minha opinião, mas tenho que fazer isso sem machucar ninguém. E você também, mô kiridu.

Não existe essa história de ofuscar a luz dos outros. Todas as luzes tem a capacidade de brilhar igualmente. E simultaneamente. Vai depender de cada um decidir qual a intensidade do seu brilho naquele momento.

Eu sempre fui questionadora. Mas nunca questionei. Procurava as respostas dentro da minha cabeça. O que me levou a encontrá-las todas, de uma maneira ou de outra (Fica a dica). Mas agora eu tô afim é de procurar lá fora. E eu não tenho a intenção de encontrar nenhuma resposta. Perguntar lá fora é só um reflexo da vontade de falar.

Agora dá licença que eu vou te observar reagindo a esse texto. Dá licença que eu vou me observar tendo vontade de falar. De gritar pro mundo. Me escuta. Eu tenho algo importante a dizer. Por quê?

Não (re)inventa moda

Eu resolvi que eu quero conseguir pintar uma tela a óleo com o dedinho esquerdo do meu pé direito. É isso mesmo. Minha meta agora é fazer com que o dedinho esquerdo do meu pé direito segure alguns pincéis e faça uma pintura. E esse pintura tem que ser igual ao “Sol Nascente”, do Monet. Aceito nada menos que isso.

Tá, pra isso eu tenho então que ensinar o meu dedinho esquerdo a segurar um pincel. E tenho que ensinar o meu pé direito que agora vai ter um dedinho ali que vai virar pintor, então ele que se resolva em como vai deixar de sustentar o meu corpo pra virar suporte de artista.

Péra, o que? Isso não faz sentido. Dedinhos de pé não são como dedos da mão. E pé não é mão. E um dedo sozinho não segura pincel…

Quero nem saber. Eu vou ser o que eu quero ser. Já dizia Charlie Brown que o impossível é só questão de opinião. Quem sou eu pra contrariá-lo???

Eu vou é me reinventar. Vou sair daqui agora, pegar minha tobata, e partir pras Bahamas em busca da neve. Ah, a neve… tão linda e branquinha. Parecida com a areia da praia. Neve e praia são quase a mesma coisa né?

Cê ta inventando história, dona moça. Ficou é maluca. Parece aquelas minas que viram CEO de empresa: deu a louca na dona mariquinha.

Invento. Me reinvento. Não sou a mesma todo dia. Sou melhor a cada dia. O que eu gostava ontem talvez já não goste mais hoje. O que eu gostava ontem talvez hoje eu goste ainda mais. Descobri que gosto de tanta coisa… Tanta. Coisa. Será que consigo fazer tudo? Será que posso ser tudo? O que mais eu quero ser? Fazer?

Cozinhar, pintar, passar roupa. Passar roupa? – Eu sou única, mon amour.

Que Deus me abençoe e me faça gostar de cada vez mais coisas. E que eu aprenda a desgostar também. A desapegar. Se a fase já passou, então já Elvis. Se a fase tá começando, ENTÃO (NÃO) ME SEGURA

A minha casa é o meu laboratório.

Cada vez mais eu percebo, abismada, o quanto as pessoas não conseguem ficar em casa. Poderia passar horas divagando aqui sobre a minha jornada com a minha casa e como eu a amo, mas esse não é o ponto agora. O ponto agora é que as pessoas não conseguem mais ficar em casa.

Elas têm medo. Elas morrem de medo de ter que passar algumas horas em casa. É sério, parece brincadeira, mas minha pesquisa empírica – vulgo, prestar atenção no que as pessoas estão falando – demonstra de forma clara o quanto as pessoas têm medo de ficar em casa. Elas nem estão prestando atenção no que querem dizer quando falam o que falam, mas eu estou.

“Eu prefiro ir pra qualquer lugar do que ficar uma noite a mais em casa”. “Tá, você ficou em casa todo esse tempo?”. “Mas, o que você faz pra se divertir?”. Simples frases que revelam muito. Talvez aqui jogadas não pareça, mas da próxima vez que você ouví-las, preste atenção. No contexto. O contexto revela muito.

E não me leve à mal, eu não julgo. E não julgo mesmo, eu já fui assim. Já fui muito assim. Dói ter que ficar em casa quando ainda não temos um carinho por ela, quando ainda não estabelecemos uma conexão profunda com nós mesmos.

Por favor, não leve esse texto pro lado racional da coisa. Eu sei que lendo não parece fazer sentido. Então só sinta. Deixa a energia das minhas palavras te tocar, e não tente entender de forma lógica. Eu não estou nem falando muito da casa como lugar físico. Tô indo além. Então só sinta.

Precisamos aprender a ficar em casa. A se divertir em casa. A se descobrir em casa. O bem mais valioso que existe nesse universo é o tempo passado em casa. Vivido em casa. Não adianta passar tempo em casa mexendo no celular, ou só vendo televisão. Viva a sua casa. Se descubra em casa. É bem ali mesmo que você vai descobrir quem você é. Quem você quer ser. E é ali mesmo que você vai começar a se tornar essa pessoa que você quer ser.

Por favor, viva um tempo em casa. Pegue um alimento na mão e sinta seu cheiro. Sua textura. Qual a cor? Qual o sabor? O que te deu vontade de cozinhar com ele? Hoje acaba em pizza.

Peraí que eu vou limpar o banheiro. Eita, o que é isso aqui? Que objeto é esse que eu nem lembrava que eu tinha? Nossa, como é lindo!

Quer saber, eu vou arrumar meu guarda-roupa. Tem muita cois… meu Deus olha essa blusa! Eu nem lembrava que eu tinha ela! Caramba, eu usei ela naquela viagem incrível pros andes suíços na tailândia. Nossa, que viagem incrível que foi. Que saudade. Qual será minha próxima viagem? Bem que eu podia ir passar um tempo esquiando no Havaí né? Ninguém nunca ouviu falar do Butão, é pra lá que eu vou!