O burnout não fica em quarentena

Mulher sempre acha que é a Mulher-Maravilha, né? Eu sempre achei. Temos até o mesmo nome! Eu sempre me identifiquei muito com a Mulher-Maravilha porque assim, temos o mesmo nome, e ela é uma maravilha. Mas será que ela também opera em luta-fuga?

Lava, seca e passa. Cuida das plantas, faz o almoço, lava o box do banheiro, medita. Pinta, costura e pratica yoga três vezes ao dia virada pro sol em um ângulo de 38 graus perpendicular à lua. Por quê será que associamos essa maravilha de mulher com uma mulher maravilhosa?

Tem aquela clássica história pra boi dormir de que mulher consegue fazer duas coisas ao mesmo tempo mas homem não. Homem só consegue fazer uma. Ele não consegue, por exemplo, recolher o prato que comeu ao mesmo tempo que faz a digestão, porque é do homem só conseguir fazer uma coisa ao mesmo tempo. Ainda bem que a mulher consegue cozinhar, servir o prato, mastigar, engolir, e ainda lavar a louça ao mesmo tempo, porque se dependesse do homem, tão limitado, coitado, ficaria complicado…

Lá vem ela trazendo as boas novas. Tá grávida de cinco meses, semana que vem está partindo para uma expedição de escalada do Everest, começou a dieta paleo e, de acordo com a nutri, a prática de jejum intermitente tem sido maravilhosa para aumentar os níveis de antioxidantes no sangue e dar a energia necessária para um dia agitado!

A vida tem sido boa demais, diz ela. “Só no trabalho que está um pouco complicado. Meu departamento trocou de chefe, e esse é bem mais rigoroso. Me pediu uma planilha completa para calcular o número de gotas do oceano, que tá me dando um pouco de trabalho. Mas fora isso, tô bem!”

Das oito horas de expediente, duas eu produzo pra valer. As outras seis, eu passo tentando me concentrar para não pensar nas outras mil coisas que eu tenho pra fazer, diz ela. Que quero fazer, que deixei de fazer, que fiz, que pensei em fazer mas não fiz.

Será que a Mulher-Maravilha, minha xará, também opera em luta-fuga que nem eu? Que nem você?

Graças à Deus já to bem mais avançada nessa caminhada ao reparo, descanso e digestão. Já operei muito mais no modo sobrevivência, mas hoje a minha busca é pela vivência. Não faz sentido esse modo de ver a vida de que trabalho é tudo nesse mundo. Trabalho é sim tudo nesse mundo, é sim algo lindo e que deve ser amado, mas ele não é tudo nesse mundo! Trabalho é incrível e traz propósito de vida, mas ele só faz parte do meu mundo.

Dá um google em “karoshi” e depois volta pra gente conversar.

E aí, vai me dizer que karoshi tira férias? Que faz escolha de gênero? Idade? Profissão? Que fica em quarentena? Nem ele nem o burnout.

Hoje eu me peguei em um ciclo autodestrutivo de alta exigência de produção com níveis mais altos ainda de esgotamento. Longe do burnout mas com o pé apontado em direção. E se eu to me sentindo assim, nem imagino como outras pessoas possam se sentir.

Nós, mulheres que se dizem ser a Mulher-Maravilha, a diferentona stress-free, cuidado. Você não quer ser ela. Primeiro que eu nem sei porque a associam com uma faz-tudo super poderosa (alguém aí sabe?), e, segundo, porque presença é o mínimo de respeito que podemos nos dar.

Eu que me perdoe por estar tendo oportunidades absurdamente incríveis neste momento e não estar presente em nenhuma delas. Eu que me perdoe por não estar presente para me enxergar me tornando a mulher dos meus sonhos. Eu que me perdoe por não ter presenciado antes a minha clara exaustão. Mesmo tendo – literalmente – todo o tempo livre (alô, quarentena), nas últimas semanas eu estava ocupada demais para marcar presença naquela nova conquista.

Amanhã o despertador não toca.

.

.

Foto: Florianópolis – Brasil

Inspirações.

Donde vem? De onde são? Como surgem? Inspirações.

Inspiração vem de dentro, da alma. Do meio, do ambiente. Epigenética. Genética. Eu sou daonde eu vim ou eu venho de quem eu sou? De quem me fez? Me criou, me moldou. Me inspirou.

Inspirações. Elas vêm de dentro, do meu ser. Inspirações nada mais são do que expressões da minha alma transmutadas para algo físico. Uma pintura, uma costura, um crochê. Uma escrita… Um conselho. Uma comida. Cozinha é pura inspiração. Não existe comida boa se o cozinheiro não tá inspirado.

“Tá inspirada hoje, hein!” é a frase clássica quando algo muito bom está sendo muito bem feito. Entendeu né? Não tem como uma ação inspirada culminar em um resultado ruim.

Tá inspirada hoje, hein! Se inspirou em quem? Em mim, oras!

Mas nele também. E nela. Ela é uma das minhas maiores inspirações. Filha de uma grande mulher inspiradora, que gerou outra grande mulher inspiradora, que me gerou. Gerações de mulheres inspiradoras, essa eu conheço.

Mas hoje o dia é de uma dessas em especial. Dela, a primeira que me fez perceber e entender o que “inspiração” significa. Eu não vi acontecer, mas quando percebi, me dei conta de que muito das minhas inspirações foram inspiradas por ela. Nela, percebi que minhas próprias inspirações foram inspiradas nela.

Por ela também. Minha grande incentivadora, apoiadora que só vendo. Ela vibra com minhas conquistas, me motiva, me guia, me serve de espelho e orientação. O símbolo da mulher guerreira, batalhadora. E no bom sentido, porque com ela não existem dificuldades. Tudo é motivo de festa e de celebração.

Meus aniversários de criança, catequese, crisma, formatura. Cada pequena conquista minha, ou de qualquer outra pessoa, ela vibra como se fosse dela. Isso não é simplesmente tão inspirador?!

Ela é de fato uma mulher inspiradora. Todos na família, na comunidade, nas amizades, todo mundo se inspira! Não tem um que passe ileso. Por onde ela passa, todo mundo se fascina com tamanha força. Não preciso nem dizer que é casada com um homem incrivelmente inspirador, e que o casamento deles me inspira muito, né? Ah tá.

Ela me lembra bolo de cenoura. Se eu tivesse que descrever ela em uma palavra, seria bolo de cenoura. Meu bolo preferido, colorido, fofinho. Amado por todo e qualquer brasileiro, que sempre vem com uma calda de chocolate que dá o toque final. É aquele bolo que não tem como não amar.

Sim, inspiração vem de dentro. Sim, inspiração é a expressão da alma, de algo interno, que é nosso, e só nosso. É humanamente impossível que Maria tenha a mesma inspiração que Benta, pois são duas pessoas diferentes. Porém, a minha inspiração interna primeiramente se inspirou em algo externo, em alguém lá fora. É claro que um ser não se inspira em uma coisa só, mas existem coisas que são grandes inspirações pra alma, maiores que outros pequenos insights. E ela é uma dessas.

Imagino que todos também tenham algo(s) ou alguém(s) em quem se inspiraram antes de realmente se inspirarem. Agradeça. Esse texto foi pensado em uma pessoa inspiradora específica, mas ele também se refere a todas as outras almas inspiradoras que pairam por aí. Na minha vida tem várias outras, e eu sei que ela não se importa em dividir esse parágrafo. Obrigada a todos.

E obrigada a você, minha querida, por ser quem tu és. Por ser maravilhosa e inspiradora. Por ter formado essa família incrível, por fazer parte da minha vida, por me permitir ter tantas memórias boas. Obrigada por me inspirar a me inspirar. Que tu continues inspirando muitas outras almas a se inspirarem também, pelo resto de nossas vidas.

Com amor,

.

.

Foto: Jacinto Machado – Brasil

Feminidade

Feminidade. Quase um feminismo. Mais que isso. Feminidade.

Se tem uma coisa que eu admiro é mulher. Todo tipo de mulher. Mulheridade. Mulher não tem idade.

Mulheridade é… o quê? É uma canção cantada desde os velhos tempos. Ancestralidade. Tem coisa mais bela que a anciã? Mulher sábia, mulher selvagem. Mulher-esqueleto. Eu carrego a minha comigo sempre.

Já dizia a velha sábia. Aquela que nada teme, tudo vê. Uma vez ela me disse que minha intuição não erra nunca. Mal sabia eu que intuição não é instinto. Mal sabia eu que eu carregava a lua dentro de mim. Até hoje.

Mulher não se ajuda. Se julga. A mulher de hoje em dia só quer saber de reclamar do patriarcado. Cadê a atenção pro matriarcado? Igualdade? Possibilidade? Humanidade.

Ah, se a velha sábia soubesse. E se eu contar pra ela, que a mulher hoje vai pra rua reclamar da opressão? Ótimo. Que ela joga pra fora toda a energia que tem dentro? Peraí. Que ela descarrega sua potência implorando pro mundo lhe dar atenção, quando ela mesma não se dá? Eita.

O feminismo é todo dia. Ele é vivo, ele é dinâmico. E se eu contar pra velha sábia que eu não marchei no dia das mulheres? Hmm… Tira esse -ismo. O ismo não é condição. Bota um -ade. A de quê? A de artigo feminino.

Ô dona moça, eu tô entendendo é nada que cê tá dizendo.

Fala com a velha sábia. Pergunta pra ela que ela vai te responder. Um dia eu vou ocupar o lugar dela. Tá mais que na hora de ouvirmos suas histórias, o que ela tem pra nos contar.

Ô mulher, faz isso contigo não. Ela é tão linda. Um dia ela já foi baleia, hoje ela é sereia. Ela é mãe. Avó, tataravó. Bisavó. Eu carrego elas comigo, e você também. Eu sou mulher e minha potência orgástica é infinita. É um acúmulo de potências que me guia ao encontro da minha.

Um texto sem pé nem cabeça, porque ele é o corpo todo. Você, que é mulher, liberte-se. Dê uma passadinha lá na vila, a velha ta te esperando. Ela tem tanto à dizer… Bruxa-má. Bruxa-boa. Pega a vassoura e sai voando. Espalha por aí esse encanto.

O homem, ele é lindo. Mas ele só reproduz o que aprendeu. Basta ensiná-los diferente. Levar o ódio pra passear no dia das mulheres não é lá grande ensinamento.

Muda a frequência desse rádio aí, sintoniza na rede Feminidade. Lá, você encontra depoimentos de todos os tipos de mulheridade. Tem tons de pele, sexualidade, orientação sexual, altura, gordura, estria e celulite. Tem todo tipo de manifestação externa de dor interna. Tem todo tipo de cura. É um paraíso.

Vou contar pra velha sábia que o -ismo foi embora e deixou o -ade em seu lugar. Vou contar pra velha sábia que a mulher selvagem tá cantando e ela trouxe a mulher-esqueleto junto. Elas tão chegando. Tô sentindo o cheirinho de café quentinho.

.

.

Foto: Palm Beach, Sydney – Australia