Calcanhar de Aquiles

Era uma vez, Aquiles.

Um homem forte e belo, imponente, majestoso. O herói mais temido por Tróia, protagonista entre os céus e oceanos, dominador, e guerreiro destaque da Ilíada.

Aquiles vivia armado, pronto para qualquer batalha. Se alguém ousasse lhe enfrentar, Aquiles sacava suas armas e derrubava o inimigo no mesmo instante. Ele sabia usar e dominava com perfeição a munição mais poderosa já inventada pelo homem:

Palavras.

Aquiles sabia exatamente o que falar e como falar para acabar com seu oponente toda vez que fosse preciso. Bastava se sentir ameaçado, que palavras mágicas de dor e ofensa saiam de sua boca em direção à ameaça, extinguindo-a por completo em questão de segundos.

E assim ele vivia. Caminhava armado e munido, pronto para ferir qualquer pessoa que tentasse lhe atacar. Ou que ele pensasse que estivesse lhe atacando. Ou que ele interpretasse que a intenção era lhe atacar. Ou que ele sentisse que qualquer movimento estranho, mesmo que irreal, seria um ataque.

A verdade é que Aquiles era frágil e sensível. Nem ele sabia, mas, sem sua armadura, ele não era nada além de um homem comum. Uma pessoa que sente coisas e emoções, pensa, senta, levanta, e deita. Come, bebe, chora, e dá risada. Mas, por algum motivo e em algum momento, ele precisou se defender, e sem ter força física suficiente, encontrou nas palavras a forma mais rápida e eficaz de se proteger.

E, de fato, elas são. Palavras são a arte da guerra. Fáceis, não violentas (tem certeza?), delicadas. Aparentemente inofensivas. Poderosíssimas, palavras tem o poder supremo de destruir tudo e qualquer coisa se assim seu mestre desejar. Falar é uma arte a ser dominada, que pode sim ser usada para o bem, mas na guerra, um discurso bem dado, que incite o ódio e convença os soldados a ferir o inimigo, é peça chave para vencer uma batalha.

“A vida é uma batalha / Tem que batalhar para vencer na vida / Todo dia, uma batalha diferente” – tão conhecidos “ditados” populares. Frases comuns, repetidas por gerações, que refletem como as pessoas enxergam a vida. “Viver” é, muitas vezes, considerado sinônimo de batalha.

E, na vida, todos somos Aquiles. Caminhamos munidos, sem cuidar daquilo que sai de nossas bocas no meio de uma conversa. Sem se preocupar em entender o que realmente foi dito, se feriu alguém, ou se vale mesmo a pena revidar (não, não vale).

Além disso, no jogo da comunicação, toda regra é exceção. Uma palavra ou frase mal interpretada e não bem esclarecida já vira ataque iminente, que requer revidação na hora. E dá-se início ao pingue-pongue: vence quem sair mais ferido da partida.

Aquiles só foi descobrir o real poder de sua munição quando percebeu uma flechada atingir o seu calcanhar, que, por um descuido, tinha ficado descoberto sem a armadura. Acontece que seu inimigo Homero, durante a guerra de Tróia, observou Aquiles treinar sua arte das palavras, e decidiu usar o feitiço contra o feiticeiro. Ao perceber o calcanhar exposto, Homero direcionou as ofensas e escancarou à Aquiles suas falhas, seus defeitos e dificuldades, derrubando-o em um único golpe.

Falar, a arte da guerra. Palavras são lançadas, e palavras são retornadas. O que Homero descobriu foi que, tanto para atacar ou se defender, falar durante a guerra leva à uma batalha sem fim. Homero não sabia, mas toda a vez que se usa o feitiço das palavras em prol da dor, a armadura de quem o lança fica mais rígida e pesada. Perde-se a sensibilidade, o contato com a pele, com as emoções, com a leveza natural da vida.

Ambas as partes saem perdendo.

Além disso, ele descobriu que armaduras feitas de palavras são falhas, pois os calcanhares sempre acabam ficando de fora. Não só o de Aquiles, mas o tendão de qualquer pessoa, por ser o maior tendão do corpo humano, quando atingido, desestabiliza o esqueleto inteiro, abala o emocional e a dor vira visceral.

Palavras constroem, confortam e acalentam. Mas palavras destroem, nutrem a dor e machucam de verdade. Todo calcanhar é frágil e vulnerável, e está exposto aos ataques de Homero (assim como este aos ataques de Aquiles).

Ao cair, Aquiles percebeu que sua armadura de nada o protegia. Então resolveu tirá-la, eliminando todo o peso sobre seu corpo, e conseguindo assim levantar. Tomou um susto, pois, quando levantou, estava maior que Homero. Mais alto, ainda mais forte, belo e poderoso.

Ele pôde finalmente sentir o quão leve é caminhar sem estar munido e o quanto havia dominado errado a arte da fala. Se perdoou por ter deixado seu calcanhar vulnerável todos esses anos, e trabalhou para fortalecê-lo e protegê-lo de outras formas.

E, no final, descobriu nas palavras, a arte da cura.

Feminidade

Feminidade. Quase um feminismo. Mais que isso. Feminidade.

Se tem uma coisa que eu admiro é mulher. Todo tipo de mulher. Mulheridade. Mulher não tem idade.

Mulheridade é… o quê? É uma canção cantada desde os velhos tempos. Ancestralidade. Tem coisa mais bela que a anciã? Mulher sábia, mulher selvagem. Mulher-esqueleto. Eu carrego a minha comigo sempre.

Já dizia a velha sábia. Aquela que nada teme, tudo vê. Uma vez ela me disse que minha intuição não erra nunca. Mal sabia eu que intuição não é instinto. Mal sabia eu que eu carregava a lua dentro de mim. Até hoje.

Mulher não se ajuda. Se julga. A mulher de hoje em dia só quer saber de reclamar do patriarcado. Cadê a atenção pro matriarcado? Igualdade? Possibilidade? Humanidade.

Ah, se a velha sábia soubesse. E se eu contar pra ela, que a mulher hoje vai pra rua reclamar da opressão? Ótimo. Que ela joga pra fora toda a energia que tem dentro? Peraí. Que ela descarrega sua potência implorando pro mundo lhe dar atenção, quando ela mesma não se dá? Eita.

O feminismo é todo dia. Ele é vivo, ele é dinâmico. E se eu contar pra velha sábia que eu não marchei no dia das mulheres? Hmm… Tira esse -ismo. O ismo não é condição. Bota um -ade. A de quê? A de artigo feminino.

Ô dona moça, eu tô entendendo é nada que cê tá dizendo.

Fala com a velha sábia. Pergunta pra ela que ela vai te responder. Um dia eu vou ocupar o lugar dela. Tá mais que na hora de ouvirmos suas histórias, o que ela tem pra nos contar.

Ô mulher, faz isso contigo não. Ela é tão linda. Um dia ela já foi baleia, hoje ela é sereia. Ela é mãe. Avó, tataravó. Bisavó. Eu carrego elas comigo, e você também. Eu sou mulher e minha potência orgástica é infinita. É um acúmulo de potências que me guia ao encontro da minha.

Um texto sem pé nem cabeça, porque ele é o corpo todo. Você, que é mulher, liberte-se. Dê uma passadinha lá na vila, a velha ta te esperando. Ela tem tanto à dizer… Bruxa-má. Bruxa-boa. Pega a vassoura e sai voando. Espalha por aí esse encanto.

O homem, ele é lindo. Mas ele só reproduz o que aprendeu. Basta ensiná-los diferente. Levar o ódio pra passear no dia das mulheres não é lá grande ensinamento.

Muda a frequência desse rádio aí, sintoniza na rede Feminidade. Lá, você encontra depoimentos de todos os tipos de mulheridade. Tem tons de pele, sexualidade, orientação sexual, altura, gordura, estria e celulite. Tem todo tipo de manifestação externa de dor interna. Tem todo tipo de cura. É um paraíso.

Vou contar pra velha sábia que o -ismo foi embora e deixou o -ade em seu lugar. Vou contar pra velha sábia que a mulher selvagem tá cantando e ela trouxe a mulher-esqueleto junto. Elas tão chegando. Tô sentindo o cheirinho de café quentinho.