Círculos de ciclos

É como um ciclista que anda em círculos e não sabe para onde vai.

Dá de ver acontecendo, dá para perceber passando, dá para quase tocar, mas não dá para controlar. Às vezes, passa muito rápido. Mas muito rápido mesmo, questão de horas, dias, ou segundos. Outras vezes, passa devagar quase parando. Andando pra trás, dando voltas, um ciclo demorado que parece não acabar nunca.

Na minha vida pessoal, eu sei que vivo um ciclo que ainda não se acabou, e que começou fazem 3 anos. Um não, dois. Tenho consciência que há dois ciclos acontecendo na minha vida, que ainda não se acabaram totalmente, e que começaram à três anos atrás.

Porém, tem dias que eu vejo um ciclo começar e se acabar tão rapidamente, como se eu tivesse piscado um olho e, ao abri-lo novamente, já havia se evaporado. Num piscar de olhos, minhas emoções durante o dia vem e vão, acordando empolgada e indo dormir com raiva, tomando café da manhã tristonha e jantando com um sorrisão alegre no rosto. Dentro de um dia, eu visito inúmeros e diferentes ciclos de humor e pensamentos.

Já vi também ciclos semanais. Antes do Natal, passei a semana triste e completamente desesperançosa com a vida. “Não adianta, não tem jeito, o ano acabou e não consegui o que eu queria. Sou um desastre mesmo.” Na semana seguinte, já estava inundada de esperanças e planos para o ano que promete, com a certeza de que tudo iria dar certo e algo novo estaria por vir.

Mulheres, já conversaram com seu ciclo menstrual? A fonte da sabedoria, o pote de ouro embaixo do arco-íris. O olho que tudo vê e tudo sabe, que tudo sente, que tudo limpa, que tudo renova. Menstruação é ouro, é choro, é sujeira, é pureza, é esperança. Ela me diz tudo que eu preciso saber, me mostra os caminhos, me guia em direção aos meus sonhos, chama minha atenção ao que preciso melhorar, me dá feedback sobre minhas ações, me conecta com o meu ser.

Ela é pesada. Carrega infinitas gotas de sabedoria. Carrega o fim e o início de um ciclo, carrega dois ciclos de uma vez só. Ela é a velha sábia, a mulheridade, feminidade, a minha La Loba.

Se você conseguir conectar, sincronizar mente e menstruação, não há medo que sobre, não há dúvida que reste, não há meta que não seja atingida. Não há ciclo que não seja identificado. Muitos ciclos externos revelam suas fases durante a menstruação, e o próprio ciclo menstrual revela a fase interna da mulher naquele momento. Como?

Seu ciclo já atrasou uma semana? Duas semanas? Quatro dias? Dois meses?

Aparentemente, sem nenhuma explicação, ciclos menstruais (naturais) se atrasam, pois eles são e estão em perfeita sincronia com a fase interna da mulher. Com o conjunto de emoções daquele momento, com os desafios, com as lições, e com tudo que a deusa está passando. Se atrasam para se alinhar à lua e potencializar a concretização de um objetivo, se atrasam para se alinhar à lua e permitir que a fase introspectiva se estenda mais um pouco.

A vida dá voltas e ciclos são feitos de círculos. Tem começo, meio, e fim. Esse fim é o vazio, é a transição de um ciclo finito para um ciclo melhor. O vazio é o ponto de intersecção aonde as linhas de um círculo se encontram para fechá-lo – é o fim de um junto do início de outro. É o lugar de infinitas possibilidades, de descanso, de carregamento da bateria. O vazio permite a renovação de sonhos e comemoração de conquistas passadas.

Já reparou nos seus ciclos? No ciclo menstrual, no diário, no mensal, no semanal. No anual, e naqueles ciclos anuais. Eles são excelentes fontes de sabedoria e conexão do ser. Do ser humano mesmo, seja ele homem ou mulher, pois ciclos não fazem distinção de raça, cor, gênero, nem credo.

Ontem, eu oficialmente encerrei um ciclo. Amanhã, eu oficialmente iniciarei um novo. Durante a noite de ontem para hoje, eu menstruei. E isso realmente aconteceu.

Se isso não representa sincronia e sabedoria, eu não sei mais o que coincidência não é

Feminidade

Feminidade. Quase um feminismo. Mais que isso. Feminidade.

Se tem uma coisa que eu admiro é mulher. Todo tipo de mulher. Mulheridade. Mulher não tem idade.

Mulheridade é… o quê? É uma canção cantada desde os velhos tempos. Ancestralidade. Tem coisa mais bela que a anciã? Mulher sábia, mulher selvagem. Mulher-esqueleto. Eu carrego a minha comigo sempre.

Já dizia a velha sábia. Aquela que nada teme, tudo vê. Uma vez ela me disse que minha intuição não erra nunca. Mal sabia eu que intuição não é instinto. Mal sabia eu que eu carregava a lua dentro de mim. Até hoje.

Mulher não se ajuda. Se julga. A mulher de hoje em dia só quer saber de reclamar do patriarcado. Cadê a atenção pro matriarcado? Igualdade? Possibilidade? Humanidade.

Ah, se a velha sábia soubesse. E se eu contar pra ela, que a mulher hoje vai pra rua reclamar da opressão? Ótimo. Que ela joga pra fora toda a energia que tem dentro? Peraí. Que ela descarrega sua potência implorando pro mundo lhe dar atenção, quando ela mesma não se dá? Eita.

O feminismo é todo dia. Ele é vivo, ele é dinâmico. E se eu contar pra velha sábia que eu não marchei no dia das mulheres? Hmm… Tira esse -ismo. O ismo não é condição. Bota um -ade. A de quê? A de artigo feminino.

Ô dona moça, eu tô entendendo é nada que cê tá dizendo.

Fala com a velha sábia. Pergunta pra ela que ela vai te responder. Um dia eu vou ocupar o lugar dela. Tá mais que na hora de ouvirmos suas histórias, o que ela tem pra nos contar.

Ô mulher, faz isso contigo não. Ela é tão linda. Um dia ela já foi baleia, hoje ela é sereia. Ela é mãe. Avó, tataravó. Bisavó. Eu carrego elas comigo, e você também. Eu sou mulher e minha potência orgástica é infinita. É um acúmulo de potências que me guia ao encontro da minha.

Um texto sem pé nem cabeça, porque ele é o corpo todo. Você, que é mulher, liberte-se. Dê uma passadinha lá na vila, a velha ta te esperando. Ela tem tanto à dizer… Bruxa-má. Bruxa-boa. Pega a vassoura e sai voando. Espalha por aí esse encanto.

O homem, ele é lindo. Mas ele só reproduz o que aprendeu. Basta ensiná-los diferente. Levar o ódio pra passear no dia das mulheres não é lá grande ensinamento.

Muda a frequência desse rádio aí, sintoniza na rede Feminidade. Lá, você encontra depoimentos de todos os tipos de mulheridade. Tem tons de pele, sexualidade, orientação sexual, altura, gordura, estria e celulite. Tem todo tipo de manifestação externa de dor interna. Tem todo tipo de cura. É um paraíso.

Vou contar pra velha sábia que o -ismo foi embora e deixou o -ade em seu lugar. Vou contar pra velha sábia que a mulher selvagem tá cantando e ela trouxe a mulher-esqueleto junto. Elas tão chegando. Tô sentindo o cheirinho de café quentinho.